Andrea Palladio

  • 30 de novembro de 2012
  • Categoria: Crônica

Foi no dia 30 de novembro de 1508 que nasceu aquele que, pela primeira vez, integrou a arquitetura com o paisagismo

Pelo menos isto era o que afirmava Sir Nikolaus Pevsner (1902 – 1983), um dos mais notáveis historiadores nas matérias de arquitetura e design, quando falou: "pela primeira vez na arquitetura ocidental, paisagem e arquitetura foram concebidas como pertencendo uma à outra. Aqui pela primeira vez os principais eixos das casas se prolongam para dentro da natureza, ou, alternativamente, o espectador contempla a casa como o coroamento da vista paisagística". Este britânico, nascido na Alemanha, se referia à Villa Palladiana, um conjunto de obras projetadas por Palladio e seus alunos, em Vicenza, uma comuna italiana da região do Vêneto, patrimônio mundial da UNESCO, desde 1994.

Andrea Palladio

Andrea di Pietro della Gondola, chamado de Palladio, nasceu em Pádua e foi um arquiteto renascentista notável, que começou entalhando pedras no atelier de Bartolomeo Cavazza. Mais tarde, influenciado por Vitrubio e Alberti, tornara-se um construtor famoso, ao ponto de ser aceito na Academia de Florença. Já consagrado, escreveu um tratado essencial na história da arquitetura, I Quattro Libri dell'Architettura, fartamente ilustrado que, junto ao “De Architetura”, do mencionado Vitrubio, arquiteto romano do século I, se converte no mais influente tratado de arquitetura de todos os tempos.

Almerico Capra, Villa palladiana

Voltando a Villa Palladiana, este conjunto de esplêndidas residências, onde morava a alta burguesia da República de Veneza, era formado por vinte e quatro construções perfeitamente integradas com a paisagem composta por vastas extensões de campos cultivados e vinhas. Seu idealizador pensava que a casa não era somente o centro da propriedade mas, também, um espaço de saúde, bem estar, estudo e reflexão, onde proprietários e trabalhadores dividiam, de modo racional, o corpo central da edificação com os celeiros e outros ambientes de serviços. Isto funcionou como resposta à necessidade de um novo tipo de residência rural, incorporando ao cotidiano das pessoas, jardins, lagos com peixes, hortas e pomares, dispostos de forma ordenada, como a vida do século XVI pedia e respeitando o sentimento pleno de uma civilização que procurava obter uma relação harmônica com a natureza sem, no entanto, prejudicar o modo de vida requintado dos habitantes dessa época.

Jardim palladiano

Palladio é uma “chave” para discutir a modalidade habitacional que é projetada no Brasil desde o inicio da década de 1970. O cenário arquitetônico-paisagístico insiste em preservar os ícones europeus que, no imaginário de muitos, representa, equivocadamente, poder e status. Desde que, em 1816, a missão francesa aportou em terras brasileiras, sofremos com a influência de uma arquitetura paisagística que nada tem à ver com nosso clima e nossos hábitos.

O século XXI exige um estilo genuinamente brasileiro. Por quê? Porque somos um povo com tragédias e comédias que nos individualizam... para bem ou para mal!

Posts Relacionados

Comentários
Voltar para a página inicial