Bonina: a menor margarida

  • 03 de dezembro de 2018
  • Categoria: Dicas
Um pequeno pompom colorido. É mais ou menos assim que é possível descrever a bonina, ou Bellis perennis, conforme o nome científico. Essa pequena é da família das margaridas, sendo a menor delas. Com caule macio, ela produz flores delicadas, coloridas e conta com um ciclo de vida longo. Apesar de seu tamanho, ela é mundialmente conhecida por suas propriedades medicinais e ornamentais. 

A bonina conta com folhas na cor verde em forma de espátulas, o que a deixa ainda mais bela e alegre. As flores são pétalas em tons de rosa, branco ou vermelho e o centro amarelo brilhante. O florescimento acontece durante todo o ano, conforme a época do seu plantio, e fica maravilhosa em arranjos ou buquês. A planta é versátil, comestível e medicinal, utilizada na forma de cataplasma e infusões das flores e folhas.

Nativa da Europa meridional e do norte da África, costuma ser chamada também de margarida dos prados, porque é esse muitas vezes seu habitat natural. O cultivo é prático, multiplica-se por sementes e divisão dos estolhos. A planta é boa em atrair abelhas e borboletas, que se encantam com sua beleza e doçura. O ideal é mantê-la entre meia sobra e sol. Cresce em todos os climas, mas não tolera geada forte.

Sobre o solo:

A bonina não é exigente em relação ao solo, mas prefere locais férteis, ricos em matéria orgânica. A dica é fazer uma combinação de 1 parte de terra comum, 1 parte de terra vegetal e 2 partes de composto orgânico.

Em vasos:

• Adicione argila ou brita no fundo do recipiente;
• Logo acima acrescente uma manta de poliéster para filtrar a água e evitar que a terra se infiltre;
• Coloque solo rico em matéria orgânica, desfazendo os torrões para as raízes se adaptarem ao vaso.
• Para o acabamento e evitar a chegada de ervas daninhas, adicione casca de árvores.

Adubação e plantio:

Para plantar faça covinhas de 5 centímetros e coloque 4 sementes, com um espaçamento de 15 a 30 centímetros entre as mudas. Sua germinação acontece em um período de 7 a 14 dias. Quando as mudas atingirem de 5 a 6 centímetros de altura, você deve transplantá-las para um local definitivo.

Os adubos devem ser com maior teor de (P) Fósforo, suplementos de farinha de ossos e o seu favorito, esterco bovino.  A irrigação deve ocorrer sempre no início ou fim do dia e durante o verão com mais intensidade.

Curiosidades medicinais:

As folhas jovens são comestíveis cozidas ou cruas. Suas flores são utilizadas na decoração de pratos. É indicada para eczemas, queimaduras, inflamações da pele, dores articulares, reumatismo, infecções digestivas, tosse – infusão de 50 gramas de Bellis para cada 1 litro de água, deve-se fervida ou aplicada em compressas com a planta esmagada. Também pode ser feito um spray repelente de insetos desta forma.

Gostou de conhecer mais sobre essa espécie? Deixe nos comentários! 
Comentários
Voltar para a página inicial