Conheça mais sobre o dente-de-leão

Você já deve ter esbarrado com um dente-de-leão por aí, tentou a colher a plantinha e soprar suas pluminhas para o horizonte, não é? Estas “pluminhas” são na verdade os frutos do dente-de-leão que, por serem extremamente leves, o vento as carrega para longas distâncias, facilitando o surgimento desta espécie na natureza.

Considerada uma erva daninha, principalmente em zonas urbanas e gramados, é de difícil erradicação. Mesmo com o arranquio, suas raízes rebrotam e ela volta a crescer e se propagar normalmente.Mas existe uma coisa boa sobre esta insistente plantinha: ela é comestível e faz muito bem para a saúde!

Suas folhas são ricas em vitaminas A, B, e C e também possui quantidades significativas de ferro e potássio.

Benefícios do dente-de-leão
O dente-de-leão pode ser preparado como espinafre: em saladas, refogado ou em sucos. Para o preparo de quaisquer receitas, é importante saber que as folhas mais maduras são mais amargas e melhores para cozimento, enquanto as mais jovens possuem sabor suave e são mais adequadas par dente-de-leão a o consumo cru.Algumas propriedades do dente-de-leão, através de chás e extratos, auxiliam também nos tratamentos naturais de algumas doenças como hipertensão e diabetes. Ainda atua como laxante natural, diurético, reduz o colesterol ruim, elevando os índices do colesterol do bem (HDL), combate infecções fungosas, possui efeito cicatrizante e faz bem para o fígado, auxiliando a eliminar mais rápido as toxinas.

MAS É NECESSÁRIO MODERAÇÃO: o uso dela, em qualquer situação de consumo, pode ocasionar dores de estômago e diarreia e em pacientes com diabetes, pode diminuir os níveis de açúcar no sangue.  Também há restrição para gestantes.

Gostou de saber mais sobre esta plantinha que mais parece um pompom? Compartilhe com os seus amigos! Até a próxima publicação!

Comentários
Voltar para a página inicial