Hoya Carnosa, uma flor de beleza tão singular que nem parece de verdade!

Tão bela, delicada e perfeita que nem parece de verdade. Essa é a percepção quando se tem o primeiro contato com a flor Hoya carnosa, que também é popularmente conhecida por flor-de-cera ou flor-de-porcelana.

Com um aroma tão delicioso quanto sua beleza, o seu perfume se intensifica durante a noite. Elas também segregam um néctar viscoso, que forma constantemente pequenas gotas na sua superfície.

A flor-de-cera é uma planta trepadeira, cujos caules finos não têm muitas folhas. Para atingir um melhor efeito em termos decorativos, é melhor se plantarmos várias mudas no mesmo vaso ou floreira, por forma a se conseguir um aspecto geral mais denso. Todos os caules da flor-de-cera vão precisar de algum tipo de suporte, como por exemplo grades para plantas, fios de arame ou outro tipo de tutores. Outra possibilidade é usar a sua planta em vasos suspensos.

Mas uma flor tão delicada necessita de alguns cuidados para que se mantenha saudável:

LUZ: algumas horas de sol pela manhã ou entardecer são o ideal. Expor essa flor ao sol direto pode danificar suas folhas e fazer com que não floresça. Elas também se desenvolvem muito bem com cerca de 14 horas por dia de luz artificial.

REGA: na primavera e verão essa planta exige regas mais frequentes, mas cuidando sempre para a terra não ficar úmida demais, pois pode apodrecer a raiz. Por isso é importante que o vaso onde sua planta esteja possua uma boa drenagem. No inverno, a Hoya pode entrar num estado de semi-dormência, mas não se esqueça de que ela necessita de regas, não tão frequentes, mas não deve deixar a terra secar completamente. 

TEMPERATURA: ela é uma planta bem resistente as variações climáticas, podendo aguentar temperaturas de até 5º durante o inverno. Quando cultivada no ambiente interno, ela se desenvolve se adaptando as temperaturas. No ambiente externo, procure deixa-la em um local minimamente abrigado.

Além de belíssima, ela é uma planta poderosa a remover elementos poluentes do ar das nossas casas.
Comentários
Voltar para a página inicial